Nova plataforma digital de procura de empregos para refugiados

A procura e oferta de emprego para refugiados em Portugal pode ser feita, a partir desta sexta-feira, na Internet, através da plataforma RefuJobs que conta já com mais de 150 vagas à espera de candidatos.

 

Segundo a ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques, a plataforma, que foi ontem apresentada, pretende ajudar a “integrar os refugiados” que são acolhidos em Portugal no mercado de trabalho, disponibilizando igualmente informações sobre capacitação e cursos de empreendedorismo que permitam “eventualmente ajudar a desenvolver o seu próprio trabalho”.

A plataforma, gerida pelo Alto Comissariado para as Migrações (ACM), permite cruzar ofertas de trabalho e competências profissionais, com dois registos distintos: um perfil para entidades empregadoras, outro perfil para os candidatos.

A secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade, Rosa Monteiro, adiantou que os registos serão validados pela ACM para evitar utilizações indevidas da plataforma.

A Refujobs envolve vários parceiros, incluindo empresas e entidades formadoras como escolas de hotelaria e Turismo.

Vivem actualmente em Portugal cerca de 1.500 refugiados sírios, dos quais 49% estão a trabalhar e, destes, 29 estudam na universidade, adiantou o Alto Comissário para as Migrações, Pedro Calado. Ainda este ano, são esperados mais 1.010 refugiados.

Khouloud Kalthoum é o rosto de um destes números. A engenheira síria chegou a Portugal há três anos e meio, frequentou o Instituto Superior de Engenharia do Porto, instalou-se em Braga e trabalha actualmente na EDP, além de ser uma “empreendedora social”.



Com o seu projecto Speak.Social, um programa de intercâmbio de línguas e culturas, pretende ajudar outros “imigrantes a sentirem-se bem integrados”, promovendo também o conhecimento de outras culturas junto dos portugueses, disse à Lusa.

“Esta iniciativa [RefuJobs] vai ser positiva para as famílias sírias que estão em Portugal, a grande preocupação é a integração no mercado de trabalho”, salientou Khouloud Kalthoum, acrescentando que, tal como muitos portugueses, também sentiu dificuldades em encontrar emprego.

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*